Instituto Lula

Menu

Alagoas viveu transformação com Lula na Presidência

22/08/2017 11:37

Moradores de Penedo recebem Lula após a travessia do São Fracisco. Foto: Ricardo Stuckert

Com os piores índices de desenvolvimento humano do país, o Estado foi beneficiado pelas políticas sociais como o Bolsa Família, pelos programas de combate à seca, pelo desenvolvimento social regional, aumento real do salário mínimo e pela desburocratização da Previdência Social.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai passar pelo estado, a partir desta terça-feira (22). Lula atravessa o Rio São Francisco e chega de barco no Porto de Penedo onde será recebido pela população e por autoridades.

Na quarta-feira (23), o ex-presidente receberá o título doutor honoris causa na Universidade Estadual de Alagoas no campus de Arapiraca, às 10h. No mesmo dia, ele segue para um ato marcado para as 18h, em Maceió, quando finaliza sua passagem pelo estado.

O deputado estadual Paulo Fernando dos Santos, o Paulão (PT-AL) lembra que o Alagoas há uma contradição social muito forte. “É um Estado que vive uma contradição social muito forte, com grande concentração de renda. 70% da população ganha até um salário mínimo”.

Lula chega ao Estado no dia 22, em Penedo. No dia seguinte, parte para Arapiraca, onde será realizado um grande ato público. Depois, o ex-presidente segue para a capital, Maceió. Segundo ele, caravanas de todo o Estado estão saindo de suas cidades para acompanhar a passagem do ex-presidente.

Paulão afirma que o Bolsa Família conseguiu garantir mais dignidade na vida das famílias, principalmente para as mães, e isso teve consequência direta para as crianças, com a redução da mortalidade infantil. Além disso, foram feitas campanhas de vacinação. “Antes era comum ter enterro de crianças. Essa fotografia deixou de existir”, explica.

O deputado também cita o Luz Para Todos, que levou luz para áreas que sofriam com a falta de energia na zona rural. Na educação, Lula promoveu a expansão da Universidade Federal com polos no interior do Estado. O mesmo foi feito com os Institutos Federais. Outra obra importante foi a duplicação da BR-101, que liga o Estado a Pernambuco.

Previdência mais fácil

Uma ação pouco falada, mas que teve um grande impacto no Estado foi a desburocratização da Previdência Social. Hoje, o dinheiro que vai para a Previdência Social nos pequenos municípios é maior do que transferências do Fundo de Participação dos Municípios em muitas cidades do Alagoas.

Carlos Gabbas, ex-ministro da Previdência Social do governo Lula, conta que a mudança foi feita em 2009. Antes, quem queria se aposentar tinha que apresentar todos os comprovantes de trabalho de toda a vida. Ou seja: o trabalhador tinha que provar sua trajetória. Para o trabalhador da agricultura familiar, o processo era ainda mais complexo porque envolvia a documentação de toda a família. Segundo Gabas, o processo que, em média, durava um ano, passou para no máximo meia hora.

Agência Brasil

Carteira de Trabalho e Previdência Social

Em 2009, esse processo foi modificado com o cruzamento de dados de diversos cadastros públicos. Foram usadas informações do Cadastro Nacional de Informação Social (CNIS), do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e da Receita Federal. Assim, o trabalhador precisa ir apenas agendar um atendimento pela central, e levar o seu RG, e todas as informações do tempo de serviço já estarão disponíveis.

“Mudamos o conceito: não estamos concedendo um benefício, estamos reconhecendo um direito. Com isso, se inverteu o ônus da prova”, explica Gabas. “Nós aposentamos a aposentadoria com saco de papel”, diz ele, em referência ao monte de documentos que o trabalhador necessitava entregar para conseguir sua aposentadoria.

No caso do agricultor familiar, foram cruzados dados do Ministério do Desenvolvimento Agrário e do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Além disso, foram feitas parcerias com a Contag e cooperativas locais para realizar o cadastramento dos agricultores.

O deputado Paulão lembra que, no Alagoas, muita gente demorava até 4 anos para conseguir se aposentar. Com a mudança, isso foi feito em menos de uma hora. “Isso incentiva a pessoa a se aposentar e passar a viver do vencimento da aposentadoria. Foi um grande incremento na economia das cidades pequenas”, explica Barbosa.

Para conhecer melhor as políticas públicas dos governos de Lula e Dilma, visite o site Brasil da Mudança .

Agenda:

Terça-feira (22)
Penedo: 16h travessia do Rio São Francisco

Quarta-feira (23)
Arapiraca: 10h título de doutor honoris causa na Universidade Estadual de Alagoas (Uneal)
Maceió: 18h ato político