Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Curso do mês: Filosofia e feminismo, com Marcia Tiburi.

Instituto Lula

Menu

Dia 22: Centrais chamam atos contra reforma da Previdência

20/03/2019 12:45

Foto: Elineudo Meira

CUTcentrais sindicais e movimentos sociaisrealizam na próxima sexta-feira, 22 de março, o Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, em várias cidades do Brasil. Será um dia de resistência para mostrar ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) que a classe trabalhadora não vai aceitar as perversas condições impostas no texto da sua proposta de reforma da Previdência, que praticamente acaba com o direito à aposentadoriade milhões de trabalhadores e trabalhadoras.

“É um esquenta para uma greve geral, caso Bolsonaro insista em levar adiante essa proposta”, diz o presidente da CUT, Vagner Freitas, que reforça a convocação para que todos os trabalhadores e trabalhadoras do país participem dos protestos que já estão marcados em várias cidades. (Veja lista de atos já marcado, no final desta matéria).

De acordo com Vagner, todos devem se unir à luta dos sindicatos contra a Proposta de Emenda à Constituição(PEC) 06/2019, da reforma da Previdênciaque restringe o acesso e reduz o valor dos benefícios previdenciários.

A PEC dificulta o acesso e reduz o valor dos benefícios ao estabelecer a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para os homens, 62 para as mulheres e aumentar o tempo de contribuição de 15 para 20 anos, além de retirar da Constituição o sistema de Seguridade Social brasileiro.

O dirigente alerta que Bolsonaro também quer acabar com o pagamento da multa de 40% do FGTS aos trabalhadores que se aposentam e continuam trabalhando na mesma empresa, entre outras maldades.

“O governo não está atacando somente a aposentadoria. A proposta de Bolsonaro ataca também direitos sociais e previdenciários garantidos pela Constituição como o auxílio doença. E ainda propõe a redução do valor dos benefícios de viúvas e órfãos, que acumulam benefícios”, afirma o presidente da CUT.

Ele lembra que, em abril de 2017, a classe trabalhadora barrou a proposta de reforma da Previdência apresentada pelo ilegítimo Michel Temer (MDB), depois da maior greve geral da história do país.

Mais de 45 milhões de trabalhadores em todo o país cruzaram os braços para dizer não à reforma de Temer. A proposta de Bolsonaro é ainda pior que a anterior e, por isso, o dia 22 de março tem que ser ainda maior.

– Vagner Freitas

Ele classifica a PEC da reforma como o “maior retrocesso da história, pior até mesmo que a reforma Trabalhistade Temer, que jogou milhões de trabalhadores na informalidade e, ao contrário do que prometeram, não reduziu o desemprego no país”.

Em ação

Além da mobilização da classe trabalhadora no Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, outras ações estão sendo realizadas contra a reforma. As centrais sindicais estão em Brasília, nesta semana, para dialogar com parlamentares sobre as atrocidades da proposta de Bolsonaro.

“Já cobramos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Davi Acolumbre (DEM-AP) e dissemos aos parlamentares que se votarem a favor, não serão reeleitos”, afirmou Vagner Freitas.

O dirigente também destacou a articulação com as câmaras municipais e associações comerciais de pequenos municípios, onde a economia será duramente afetada pela reforma. “Essas cidades são sustentadas pelos benefícios da Previdência. Já há uma paralisia no comércio dessas localidades e se a reforma passar, será a falência total desses municípios”, alerta Vagner.

Veja os locais onde serão realizados atos no dia 22:

São Paulo:

Capital: ato às 17h, em frente ao MASP, na Avenida Paulista

São Carlos: A partir das 9h, na praça em frente ao Mercado Municipal – Centro

Bauru: A partir das 14h, Audiência Pública na Câmara Municipal – Praça Dom Pedro II, 1-50 – Centro

Campinas: 10h00 – Ato dos professores e Servidores Públicos no Largo do Rosário, no centro
16h30 – Concentração para o ato e panfletagem na rua 13 de Maio e diversos terminais de ônibus
18h00 – Ato político com representante das centrais, das Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, movimentos sociais e sindicatos

Grande ABC: 7h – Caminhada com a participação dos sindicatos da região saindo da porta da Mercedes Benz e da Ford

Rio de Janeiro

16h – Marcha da Candelária à Central

Distrito Federal

Debates nas escolas (agenda prévia com o Sinpro) – Manifestações nas redes sociais – Carro de som pelas cidades – Visita aos gabinetes dos parlamentares

Brasília: 17h, em frente à Praça Zumbi dos Palmares, no Setor de Diversões Sul

Alagoas

Maceió: 15h – Praça Centenário

Goiás

Goiânia: 6h – Ato próximo ao Estádio Serra Dourada, na altura do KM 153 da BR

Rio Grande do Sul:

Porto Alegre: ato às 18h, na Esquina Democrática

Mato Grosso

Cuiabá: 16h – Ato na Praça Ipiranga

Mato Grosso do Sul:

Campo Grande: 8h – Praça do Rádio Clube

Minas Gerais

Belo Horizonte: 17H – Ato na Praça Sete. Na parte da manhã, sindicalistas e militantes percorrerão com carro de som dois bairros populosos da capital – Barreiro e Venda Nova – explicando as perversidades da reforma de Bolsonaro e fazendo panfletagens

Montes Claros: 16h – Ato na Praça Dr. João Alves (Praça do Automóvel Clube)

Ceará:

Fortaleza: ato às 8h na Praça da Imprensa (bairro Dionizio Torres)

Juazeiro do Norte: 16h – Giradouro

Santa Catarina:

Florianópolis:
Panfletagem durante a semana, do dia 18/03 até o dia 22/03
Ato em defesa da Previdência, às 17h, no Ticen.

Blumenau: 10h – Ato em frente ao INSS

Chapecó: Panfletagem no centro da cidade

Criciúma: Ato no Terminal Central

Paraná

Curitiba: 23/03 – 8h30 – Assembleia Estadual da APP Sindicato no Espaço Reviver (Av. Iguaçu, 830)

Pará

Belém: 7h30 – Concentração em frente ao Banco do Brasil da Avenida Ponte Vargas e caminhada, a partir das 9h, do BB até a agência do INSS, na Av Nazaré

Marabá: Pela manhã em frente ao INSS e às 15h, seminário sobre reforma da Previdência na Faculdade Carajás

Pernambuco

Recife: 15h na Praça do Derby

Piauí

Teresina: 8h – Praça Rio Branco (Em frente ao INSS)

Rio Grande do Norte

Mossoró: 6h – Na base da Petrobrás
8h – Concentração no INSS

Natal: 14h, INSS – caminhada até a praça dos três poderes

Joinvile

14h – Ato na Praça da Bandeira

23/03 – 9h – Plenária Sindical “Os Trabalhadores e a Reforma da Previdência”, no auditório do STIVestuário

Bahia

Salvador: 9h, na Rótula do Abacaxi

Acre:

Rio branco: ato e panfletagem às 8h, em frente à sede do governo do estado (Palácio Rio Branco)

Paraíba

Campina Grande: Praça da Bandeira, 10h

Sergipe

19/03 – Plenária sindical e popular de organização amanhã às 15h, SINDISAN

Por CUT