Instituto Lula

Menu

É preciso conhecer a diversidade do Brasil

28/08/2017 00:36

Lula com quilombolas em Currais Novos. Foto: Ricardo Stuckert

Do lula.com.br 

“É preciso conhecer a megadiversidade do Brasil para poder governar a partir da realidade das pessoas, e não da concepção que você tem, dos livros”, afirmou o ex-presidente, explicando para o público o belo propósito por trás dessa caravana que está percorrendo os estados do Nordeste até o próximo dia 5.

A caravana Lula Pelo Brasil chegou neste domingo (27) ao Rio Grande do Norte, o sexto estado da viagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Nordeste. Após deixar a cidade de Campina Grande, na Paraíba, o ex-presidente visitou as cidades paraibanas de Picuí e Nova Palmeira, seguindo pelo município de Acari (RN) até chegar ao último destino do dia: a cidade de Currais Novos (RN).

Durante o ato de boas-vindas ao ex-presidente, organizado por movimentos sociais da região, Lula ressaltou a importância de viajar o Nordeste para conversar com as pessoas e olhar nos olhos do povo. "Depois que perdi as eleições em 89, decidi fazer uma viagem para conhecer essa diversidade do Brasil. Porque é preciso governar atendendo aos anseios do povo, não a pesquisas ou estudos somente", disse.

O ex-presidente lembrou ainda os avanços em educação durante os governos petistas e defendeu que o Brasil volte a exportar conhecimento. "Não tem explicação um presidente sem diploma ser o que fez mais universidades no país. Nós não podemos ficar exportando só soja e ferro in natura, temos que exportar é conhecimento e inteligência", afirmou Lula. 

Para ver as fotos do ato em Currais Novos, acesse o Flickr do Instituto Lula.

Lula disse ter orgulho do caráter do povo nordestino e revelou que nunca vai desistir de lutar por um país justo e igual para todos. "A lição de vida que eu tenho é que a coisa mais barata deste país é cuidar do pobre. Eu tenho 71 anos de idade e quero dedicar o resto da minha vida para provar que esse país pode ser o melhor país do mundo. Eu quero de novo um país onde as mães possam oferecer 3 refeições por dia a seus filhos, com educação e oportunidades", finalizou.