Instituto Lula

Menu

"Esse povo vai voltar a governar esse país”

06/09/2017 08:05

Ato de encerramento em São Luís. Foto: Ricardo Stuckert

“O Lula hoje representa uma ideia, a ideia de que o povo pode, merece, quer viver bem. Aquela frase do Obama ‘nós podemos’ pode ser nossa. Não queremos mais morar na senzala, queremos morar na casa grande. Temos direitos e vamos brigar. Se essa elite não pode fazer, não se escondam atrás de mentiras, façam uma eleição pra gente mostrar. Levo daqui a cara dos brasileiros, é por essa senhora aqui, esse portador de deficiência, essas crianças, que quero dizer, eles que se cuidem por que vamos voltar a governar esse país, esse povo vai voltar a governar esse país”. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terminou assim mais uma etapa histórica de uma vida que já está na História.

Oficialmente, foram 25 cidades, mas com muitas paradas não programadas no caminho. Vinte dias, mais de 4 mil quilômetros, dezenas de homenagens, milhares de selfies, milhões de compartilhamentos nas redes sociais. E terminou na histórica capital maranhense São Luís a já histórica caravana Lula Pelo Brasil, com um grande ato para dezenas de milhares de pessoas no fim de tarde desta terça-feira (05).

Última parada de uma viagem histórica
Na manhã do último dia de jornada, o ex-presidente Lula visitou, acompanhado do governador do Maranhão Flávio Dino, o Porto de Itaqui. Desde as 17h, o povo ludovicense e de toda a região de São Luís se reuniu na Praça Dom Pedro II, no centro histórico da capital maranhense. A rica cultura do estado marcou presença para animar o público, com muito tambor de crioula e outras manifestações da cultura popular.

“Saímos dia 17 da Bahia e estamos completando 20 dias na estrada conversando com o povo e dialogando com nossa gente. O presidente Lula conversou sobre vários temas, transporte, educação, desenvolvimento regional, políticas de combate à seca. O planejamento tinha 25 cidades, mas paramos em 60 cidades. Hoje, vocês, no estado do Maranhão, vão fazer a festa mais bonita de encerramento da caravana”, disse Marcio Macedo, coordenador do projeto Lula Pelo Brasil.

Lula recebeu de uma comissão de deputados estaduais o título de cidadão maranhense e a medalha de honra ao mérito da Assembleia Legislativa. Representantes da Fetaema (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Agricultura do Estado do Maranhão) e do MST (Movimento dos Sem Terra) presentearam o ex-presidente com uma cesta de produtos da Reforma Agrária.

Fabiana e Eliana Guajajara, representando os povos indígenas da etnia Guajajara, presentearam Lula com um cocar típico.  Marquinhos Monteiro, compositor e militante do MST, cantou a música Sim, Eu Posso, sobre a luta contra o analfabetismo. A histórica música “Lula Lá”, que embalou a campanha de Lula em 1989, foi lembrada.

O governador do Piauí Wellington Dias, afirmou: “Nós queremos lutar pelo direito de sonhar. Sem respeitar nossa situação, através de um golpe, quiseram afastar esse sonho do povo brasileiro. Estamos indo a praça pública por onde anda pra dizer ‘Eu quero minha esperança de volta’. Os jovens, as mulheres, os negros, querem o direito de seguirem sonhando e de serem tratados com dignidade”.

João Pedro Stedile, líder do MST, exaltou grandes maranhenses da história, mas afirmou: “outros maranhenses que andam por aí, nem o diabo quer eles”, e fez um duro discurso contra o que ele chamou de “judicialização” do poder do povo na figura do ex-presidente Lula.

Flávio Dino: “Esse país é racista sim, e temos que lutar contra isso”
O governador maranhense Flávio Dino (PCdoB), que se destaca a nível nacional com a expressiva melhora nos índices sociais no estado, foi muito aplaudido. “Temos uma mensagem muito importante, essa cidade, capital do Maranhão, fará 405 anos. Deus nos mandou essa lua maravilhosa e estamos aqui olhando palácios, a Igreja da Sé, e a pergunta que vem é: ‘quem foi que construiu esses palácios, a riqueza do Brasil?’ Foram os negros, os índios, povo mais pobre, mas estranhamente esse país desenvolveu um ódio contra os mais pobres. Esse país é racista sim, e temos que lutar contra isso”, afirmou, lembrando a revolta popular da Balaiada.

Flávio Dino também louvou a presença do grande maranhense Manoel da Conceição. E encerrou: “quero falar do futuro. Nós temos como falar com o povo pobre. Vou cuidar dessa luta no Maranhão que é grande, mas não se esqueça: todas as vezes que o senhor precisar pode contar com o povo do Maranhão”.

Manoel da Conceição, fundador do primeiro sindicato de trabalhadores rurais do Maranhão, entregou a Lula a bandeira do Partido dos Trabalhadores que passou simbolicamente pelos presidentes do PT no nove estados nordestinos durante a jornada. Lula começou a falar, com a voz de quem fez incontáveis falas durante os 20 dias. 

Agradeceu os governadores Flávio Dino e Wellington Dias, os senadores Paulo Rocha (PA) e Humberto Costa (PE), os deputados federais estaduais e “a cada mulher e a cada homem presente nessa praça, os movimentos sociais, o MST, a CUT, a Contag e todas as centrais que tiveram uma dedicação em cada estado”.

Lula lembrou de cada parada da caravana #LulaPeloBrasil
“Termino a caravana muito grato a todos os companheiros dos movimentos sociais que não apenas acreditaram, mas fizeram acontecer apesar da grande imprensa não ter dado nenhuma notícia durante os 20 dias. Quero agradecer as mães e irmãs que trouxeram companheiros e companheiras com dificuldades de locomoção”.

Lula afirmou que o “velho guerreiro, sempre jovem” Manoel da Conceição “foi um guerreiro durante a construção do noso partido no estado do Maranhão”. Lembrou que o primeiro ato da caravana foi o ato com os trabalhadores do metrô em Salvador. “Foi emocionante para mim que a vida inteira lidei com os trabalhadores, na indústria, no movimento sindical”.

“Precisamos recuperar o país para não voltarmos ao tempos em que o pobre era tratado como cidadão de segunda categoria. O povo brasileiro agora sabe que é bom ter acesso a educação, emprego, renda”, afirmou. Lembrou o Luz Para Todos, que custou R$ 20 bilhões, mas “tirou milhões de brasileiros das trevas e os colocou no século 21”.

Lembrou também que no início da caravana iria receber o título de doutor honoris causa na Bahia e foi impedido por uma liminar de um vereador do DEM, deferida por um juiz. “Mas naquele dia uma menina quilombola recebia seu título de doutora da Unilab, em São Francisco do Conde, na formatura de 67 negros, e fui dizer que eles não devem favor ao Brasil, e o Brasil tem a obrigação de pagar 300 anos de escravidão pois os negros ajudaram a construir esse país”.

“Depois pra Bahia fui pra Sergipe, Alagoas, chegada em Penedo foi apoteótica, recebi o título em Lagarto (SE), Arapiraca (AL), fui pra Recife, Rio Grande do Norte, Ceará, voltei pro Pernambuco, fui pro Piauí, cheguei aqui no Maranhão. Tô cansado, mas esse é o cansaço da luta. Venham pra rua me enfrentar. Se querem prender corrupto, já apreenderam na casa do Geddel malas cheias de dinheiro. Na sua frente, que foi juiz federal, se eles pegarem na minha vida um real de desvio venho aqui pedir desculpa pra vocês. Quero que eles tenham coragem de um dia pedir desculpas pra mim”

Lula: “Caráter a gente não compra”
Lula lembrou da origem humilde, mas que formou seu caráter. “Nasci em Garanhuns, fui comer pão com sete anos. Com 13 anos, minha mãe oito filhos estava já em São Paulo, muitos dias não tinha sequer feijão pra por na panela, e minha mãe, que nunca foi de reclamar, sempre disse que o dia seguinte ia ser melhor. Foi daí que tirei meu otimismo. Ia fazer admissão, passei na barraca da feira e o brasileiro não comia maçã, tinha a maçã importada da Argentina, embrulhada no papelzinho, falava ‘vou pegar uma’ e certamente o dono da barraca não mataria como hoje mata, e não pegava por que não queria envergonhar a minha mãe. Será que agora eu vou mentir e envergonhar a memória da minha mãe? Se eles inventaram mentira pra me julgar e agora tão enrolados na mentira problema deles”.

“Quero olhar nos olhos de vocês, e é nos olhos que a gente fala a verdade, tinha 73 testemunhas e o promotor que disse que o PT era uma organização criminosa não apareceu em nenhuma audiência. Não quero julgar ninguém mas se esse promotor tiver um pingo de responsabilidade terá que pedir desculpas. O que mais me inquieta é que o pessoal da Lava Jato estão reféns da Rede Globo, porque mentiram tanto e o William Bonner não pode falar ‘Boa noite, queremos pedir desculpas ao senhor Luiz Inácio Lula da Silva’. Caráter a gente não compra, a gente nasce e morre com ele”,

“Hoje, ao terminar essa caravana, penso que quando esses palácios foram construídos ninguém imaginava que hoje estaríamos aqui lutando pela democracia, pela constituição, para ter um presidente da república que entende a alma do nosso povo, que pensa a sociedade com sua mega diversidade”, completou.

Lula lembrou que muitas vezes, deitado com sua saudosa Marisa, se perguntava o que fez de errado para merecer a perseguição de que é alvo. “Meu erro é que pela primeira vez na história desse país, quando ganhei as eleições fiz um discurso muito simplório, falei: ‘se cada criança mulher e homem tiver tomando café, almoçando e jantando todo dia já realizei o sonho da minha vida’. Por que dei tanta importância ao combate à fome? Porque eu sabia o que era a fome. O que é ser tratado como se fosse um número, porque o homem não tem força pra se organizar, fica em casa. A fome não leva à revolução, leva à submissão, porque o pobre não tem força sequer pra lutar.

Ele afirmou que a democracia que quer é diferente da democracia da elite. “Você só pode gritar que tá com fome mas não pode comer, gritar que quer escola mas não pode estudar, e é isso que o Temer está destruindo. É muita petulância dar à empregada doméstica direitos, ela poder comprar um perfume, querer que um jardineiro queira comprar o mesmo carro do dono do jardim, colocar um menino e uma menina negra pra fazer mestrado, doutorado, que o filho do pedreiro seja engenheiro, que o filho do coveiro possa ser diplomata. Eu não quero tirar nenhum rico do banco da escola, quero por o rico do lado dele”.

“Eles não admitem que sámos de R$ 2 bilhões para a agricultura familiar em 2003 para R$ 30 bilhões quando a Dilma saiu. Eles não podem admitir que eu sou o único presidente sem diploma universitário e sou o que fez mais universidade nesse país. Em Santo Domingo em 1507 tinha universidade, e no Brasil só foi criada em 1922, não por causa do povo, mas por causa do Rei da Bélgica que vinha pro Brasil e precisava ter um título honoris causa. Por que o filho deles iam estudar nos Estados Unidos, na França, na Inglaterra. Somente no século XXI conseguimos universalizar mas as escolas eram de má qualidade”, afirmou.

“Um dia esse país será exportador de conhecimento”
Lula exaltou um exemplo de um senhor de 66 anos que acabou de se alfabetizar para mostrar que o povo deve querer sempre mais. “O povo quer comer carne de qualidade, uma picanha no churrasco com a cervejinha gelada. O povo não quer roupa de terceira qualidade, quer viajar, andar de avião. Quando o pobre começou a andar de avião eles começaram a chamar aeroporto de rodoviária. Tenho orgulho de termos saído em 8 anos de 3 milhões para mais de 8 milhões de jovens na universidade, e é pouco. Temos que saber que um dia esse país será exportador de conhecimento, inteligência, não exportador de commodities”.

O ex-presidente lembrou ainda que há pouco tempo o Brasil era respeitado internacionalmente. “Em dezembro de 2002, o presidente Bush me convida, mas fui antes pra Argentina e o Chile. O Bush começa a falar do Saddam Hussein, do Bin Laden, terrorismo. Falou uns 40 minutos, presidente Lula preciso do Brasil. Eu tava nervoso, um metalúrgico, no salão oval, da Monica Lewinsky, não entendia uma palavra em inglês, falei: ‘meu país fica a 14 mil quilômetros daqui, não conheço o Saddam, minha guerra não é a sua, minha guerra é contra a fome’. O Brasil tava devendo US$ 30 bilhões pro FMI, falei pro presidente quero pagar a dívida, não quero ficar devendo. Vocês não sabem o orgulho que eu tive quando a gente não devia mais nada e ainda emprestamos US$ 10 bilhões na crise de 2008. O Brasil era respeitado, e agora é tratado como se fosse nada. Esse Trump não tem o menor respeito pela América Latina e pelo Brasil, e o Brasil só vai ser respeitado quando a gente se respeitar”.

“Fiz essa caravana para falar com mulheres, ouvir meninas agradecendo por que fizemos universidade. Queria que todo governante desse país fizesse caravana, que abracasse essas pessoas com cheiro de poeira, com cheiro de sonho, que falaram estamos perdendo as coisas que conquistamos, eu dizia não podemos perder a esperança, vocês jovens, não percam a esperança, achando que esse congresso não presta. Quando não acreditarem mais em ninguém vocês precisam entrar na política. Tenho pena do povo brasileiro. Me preocupa o que eles estão fazendo com o futuro de vocês, dos nossos netos, a gente não pode permitir que um jovem perca a esperança de entrar na faculdade, que uma mãe não possa sonhar em ter uma casa e uma profissão”.

Lula encerrou, como sempre, com uma mensagem de esperança e de que só há saída com o povo em primeiro lugar. “Eu não sei o que vai acontecer comigo, mas se eu puder ser candidato vai ser pra ganhar, pra provar que o metalúrgico é capaz, eles sabem que somos capazes, e a capacidade não é do Lula, é do povo brasileiro. Se eles pensam vão conseguir tirar o Lula, podem tirar o cavalo da chuva, por que já temos milhões de pessoas que pensam como o Lula. Tinha um homem que queria a independência, juntaram um grupo, e mataram todos, mas tinha um chamado Tiradentes. Eles mataram, esquartejaram, salgaram a carne e colocaram no poste para ninguém pensar em Independência, e 30 anos depois teve a Independência, e o Tiradentes virou herói. Quero ver o que vão falar da gente daqui a 30, 100 anos”.

“O Lula hoje representa uma ideia, a ideia de que o povo pode, merece, quer viver bem. Aquela frase do Obama ‘nós podemos’ pode ser nossa. Não queremos mais morar na senzala, queremos morar na casa grande. Temos direitos e vamos brigar. Se essa elite não pode fazer, não se escondam atrás de mentiras, façam uma eleição pra gente mostrar. Levo daqui a cara dos brasileiros, é por essa senhora aqui, esse portador de deficiência, essas crianças, que quero dizer, eles que se cuidem por que vamos voltar a governar esse país, esse povo vai voltar a governar esse país. Boa noite a todos!”.