Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Professor do mês: Ricardo Lodi Ribeiro.

Instituto Lula

Menu

Coitadismo? É o Brasil inteiro crescendo junto

24/10/2018 15:59

Foto: Ricardo Stuckert

Um país que mais mata mulheres, um país onde os negros da periferia ainda morrem por balas perdidas e são perseguidos, uma região do Brasil onde os sulistas apenas acham lindo e dão valor nas férias. Isso tudo é uma verdade. Uma triste verdade de nossa história solidificaram estas injustiças. Mas teve um momento de nossa linha do tempo que um presidente e uma presidenta fizeram de tudo pra que isso começasse a mudar.

Não se muda centenas de anos em pouco mais de uma década. Mas grandes passos foram dados e ainda tem muitos a serem dados. Mas têm pessoas no país dispostas a colocar tudo a perder.

Não existe “coitadismo”, existe uma dívida histórica com o Nordeste, a população negra e as mulheres que começou a ser paga nos anos Lula e Dilma.

As mulheres tiveram no anos de governos progressistas várias ações que buscaram amenizar a opressão.  Em 2006 Lula sancionou a Lei Maria da Penha. Um marco na luta contra a violência diária que a mulher sofre. Seja em casa, na rua ou onde for. Em 2005 foi criado o Ligue 180, um canal de denúncia fundamental para a mulher brasileira. Somente em seus 8 primeiros anos foram 3,6 milhões de ligações. Um número que é uma boa forma de entender a importância das políticas de ajuda, de 2012 para 2013 aumentou em 20% o número de ligações para denunciar violência logo no primeiro episódio. 

Ainda poderíamos citar a organização dos serviços de coleta de vestígios de crimes sexuais, o Centro de Atendimento às Mulheres nas Fronteiras, as campanhas continuadas de conscientização, as unidades móveis para mulheres em situação de violência no campo, na floresta e nas regiões ribeirinhas e a Casa da Mulher Brasileira

O Nordeste...  A região do Brasil que mais cresceu nos anos dos governos Lula e Dilma. O Nordeste teve índice de crescimento de 4,1% ao ano entre 2003 e 2013 , um índice de dar inveja a muito país desenvolvido. Um região que viu a dignidade voltar, a fome sumir e sede evaporar e o trabalho e as perspectivas de vida melhorarem como nunca. Escolas técnicas, universidades deram uma guinada da vida da população jovem. Bolsa Família, cisternas, Luz para Todos, Minha Casa, Minha Vida, fortaleceram as famílias da região. Não só fortaleceram, mudaram radicalmente a vida dessas pessoas.

Temos uma dívida enorme com a população negra. Não é coitadismo, foram mais de 300 anos de escravidão, é a perseguição nas periferias, é o racismo dos dias de hoje. Que está sendo escancarado pelos tempos modernos, cheios de pensamentos antigos.

Os governos progressistas triplicaram o número de negros nas universidades. De 10,2% em 2001 para 37,4% em 2012 . As cotas também no serviço público dando mais emprego. 

Com Lula e Dilma, a renda da população preta e parda cresceu 51,4%, enquanto a da população branca aumentou 27,8% , segundo o IBGE entre 2003 e 2013. Mesmo assim, a renda dos negros ainda corresponde a apenas 57,4% da dos brancos.

As políticas de cotas não são mais do que uma forma de nossa sociedade pagar um pedaço desta dívida. Somente no último censo (2010) que 50,7% da população brasileira se declarou negra. À época declarou Jefferson Mariano, analista econômico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE): “Muitos que se autodeclaravam brancos agora se dizem pardos, e muitos que se classificavam como pardos agora se dizem pretos. Isso se deve a um processo de valorização da raça negra e ao aumento da autoestima dessa população”.

Não há novidade nos aventureiros, tão comum em terras brasileiras, cheios de demagogia, mas que nunca fizeram nada pelo país. O Brasil é maior do que o preconceito dos admiradores de fascistas. Um país mais justo se constrói com democracia, transparência e trabalho de verdade, não com discurso de ódio.