Faça parte. Contribua

Vamos juntos manter o Instituto Lula em atividade neste primeiro semestre de 2018

Participe

Instituto Lula

Menu

Perícia conclui que caravana de Lula foi alvo de tiros

07/04/2018 11:15

Reprodução Jornal GGN

Publicado no Portal PT 

Laudo da Polícia Científica do Paraná divulgado na tarde desta quinta-feira (5) confirmou que a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi mesmo alvo de um ataque a tiros na noite de 27 de março, quando trafegava por uma estrada no interior paranaense.

De acordo com a perícia, os ônibus da comitiva sofreram três impactos, sendo dois deles disparos de arma de fogo. Os dois tiros acertaram o mesmo veículo e foram realizados por um atirador que estaria a 18,9 metros à direita do veículo. O atirador efetuou os disparos quando o ônibus já havia passado por ele. O laudo também conclui que ele estaria a uma altura de 4,36 metros acima do ônibus, possivelmente em um barranco.

A polícia também concluiu que o tiro, possivelmente, partiu de uma arma de calibre 32, bem obsoleta, que não é mais encontrada para comprar, assim como a munição, conhecida como “garrucha”. O perito criminal Inajar Kurowski, responsável pela investigação, afirmou, em entrevista coletiva à imprensa, que o calibre da arma é muito baixo. E, se caso o atirador tivesse usado uma arma mais potente, provavelmente, os projéteis teriam atravessado a estrutura do ônibus e acertado as pernas e a cabeça de alguém.

O perito disse também que não é possível verificar se o ônibus estava parado ou em movimento quando foi atingido pelos disparos de arma de fogo. Isso porque a velocidade do projetil é “absolutamente maior” a do ônibus, impossibilitando os cálculos.

Os materiais colhidos na perícia foram encaminhados para análise em laboratório. A análise deu positivo para chumbo, comprovando que dois dos impactos foram causados por armas de fogo.

Um segundo laudo também foi apresentado para a imprensa, baseado em imagens cedidas pela concessionária Ecocataratas, pelo perito criminal Lucas de França Leviski. Ele ressaltou, diversas vezes, a baixa qualidade das imagens cedidas, o que impossibilitou um pronunciamento categórico quanto à existência ou não de marca de disparo por arma de fogo, a partir da análise das imagens.

Autoria do disparo ainda é desconhecida

O delegado-titular de Laranjeiras do Sul, Helder Lauria, afirmou que já foram ouvidas 15 pessoas entre policiais rodoviários estaduais, passageiros dos ônibus e pessoas que estavam nos locais onde os veículos pararam. Lauria disse também que as investigações continuam e que mais pessoas serão ouvidas para que se descubra a autoria do disparo.

O ônibus do ex-presidente Lula sofreu o atentado na noite do dia 27 de março, quando saía de Quedas do Iguaçu (PR) rumo a Laranjeiras do Sul (PR). A caravana de Lula foi tumultuada desde o seu início, no dia 19 de março, em Bagé, no extremo sul do Rio Grande do Sul. A comitiva enfrentou diversas manifestações contrárias ao petista na maioria das cidades visitadas. Houve bloqueios em estradas, atos públicos com arremesso de ovos e pedras e agressões mútuas de manifestantes pró e anti-Lula.

Por Gazeta do Povo


#SejaInstitutoLula #InstitutoLula 


Clique acima para participar do Financiamento coletivo para manter vivo o Instituto Lula.