Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Curso do mês: Filosofia e feminismo, com Marcia Tiburi.

Instituto Lula

Menu

Mães serão prejudicadas com reforma da Previdência

08/05/2019 08:26

A proposta de reforma da Previdência de Jair Bolsonaro (PSLprejudica de diversas formas as mulheres brasileiras. Além de aumentar a idade mínima de aposentadoria e o tempo de contribuição para as trabalhadoras, ela também retira da Constituição o trecho que garante proteção às gestantes e à maternidade nas regras previdenciárias.

Atualmente, o inciso II do artigo 201 da Constituição assegura “proteção à maternidade, especialmente à gestante”. A proposta de Jair modifica o texto e estabelece apenas o salário-maternidade como direito. Especialistas consideram a mudança preocupante.

O advogado e presidente do Instituto de Estudos Previdenciários (Ieprev ), Roberto de Carvalho Santos, afirmou em entrevista à Folha de S. Paulo que “quando há na Constituição uma proteção à gestante, há uma abertura maior a direitos”.

Ele explicou que com o trecho atual da Constituição há a possibilidade de decisões judiciais concederem ampliações da licença-maternidade em casos específicos, como exemplo quando o bebê nasce prematuro. “Na minha opinião, o objetivo da PEC é, cada vez mais, tentar evitar que o Judiciário venha estabelecer ou conceder benefícios além daquilo que está taxativamente previsto na lei”.

De acordo com o Censo Demográfico do IBGE, mais de 68% das brasileiras, com idade acima de 15 anos, têm, pelo menos, um filho. Isso mostra a necessidade da existência de políticas de proteção voltadas as gestantes.

A legislação de hoje assegura às mulheres grávidas uma série de direitos, sejam eles trabalhistas, sociais ou relacionados à saúde, não apenas antes, mas também durante e após o parto.

Da Redação da Secretaria Nacional de Mulheres do PT com informações da Folha de S. Paulo