Instituto Lula

Menu

Lula interpela na Justiça João Dória Jr.

22/01/2016 17:06

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva protocolaram, nesta sexta-feira (22), uma interpelação judicial para que o empresário, apresentador de TV João Dória Jr., também filiado ao PSDB, explique declarações que insinuam a possibilidade de prisão do ex-presidente no âmbito da operação Lava Jato.

Segundo a Folha de S.Paulo, Dória teria dito no último dia 20, quarta-feira: “Lula disse que vai ajudar o Haddad na eleição, isso é tudo que eu mais quero (...) É meu sonho de consumo o Lula aqui para defender o Fernando Haddad, mas tem que ser antes de ser preso. Vamos até pedir ao Moro para adiar essa prisão (...) Lula é um sem vergonha, um cara-de-pau (...) Haddad é honesto, algo raro dentro do PT que tem manual de como roubar, de usurpar e de mentir.”

Em setembro do ano passado, Dória já havia indagado o juiz Sérgio Moro pessoalmente sobre o tema em evento promovido pela LIDE (Grupo de Lideres Empresariais, do qual Dória é presidente): “Dr. Sérgio, várias perguntas sobre um mesmo tema e um mesmo personagem: Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil. Diante do que os autos indicam, pode-se afirmar que a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é uma questão de tempo?”

“Eu não falo sobre o que acontece ou não acontece na investigação para o futuro e acho que este tipo de pergunta deveria ser feita em relação a vários outros personagens tanto dentro da investigação, quanto fora da investigação. É o tipo de pergunta que não tem nem como começar a responder”, respondeu Moro, naquela ocasião.

Os advogados do ex-presidente questionam se é necessário que Dória, na busca por votos e maior popularidade, "ofenda e ataque gravosamente a honra de outrem, sem qualquer respaldo probatório que possa espessar as gravíssimas afirmações?”.

Além de ofender a honra de Lula, Dória ofende o Ministério Público e o Poder Judiciário, apresentando-se como alguém que supostamente teria influência para incluir o ex-presidente num inquérito em que ele não é sequer investigado, transformá-lo em réu e até mesmo levar um juiz federal a condenar um inocente.