Instituto Lula

Doe agora
Menu

Em carta a Lula, Chomsky celebra anulação das sentenças

17/03/2021 08:47

Foto: Lia Bianchini

Por Rede Brasil Atual

O linguista, filósofo e ativista político norte-americano Noam Chomsky escreveu uma carta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para comemorar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que anulou as sentenças da Lava Jato contra Lula.

Na carta, Chomsky diz que a anulação pelo ministro Edson Fachin é o “reconhecimento pelo Tribunal de que seu julgamento e condenação foram fraude total. Uma reivindicação verdadeira, uma homenagem à sua coragem e persistência na luta pela justiça – não pela primeira vez, ou temos certeza, pela última”.

O intelectual, conhecido e celebrado no meio acadêmico como ‘pai da linguística moderna’, também destaca a importância de o país retomar a democracia, manchada pelo golpe de 2016, que tirou Dilma Rousseff da presidência por um impeachment sem crime de responsabilidade, e pela prisão de Lula para que não disputasse as eleições de 2018.

“E, por fim, há esperança real de um fim à tortura que o Brasil tem suportado nos últimos anos e um retorno ao caminho em direção ao futuro brilhante que os brasileiros merecem e podem alcançar”, disse Chomsky, que assinou a carta junto com a mulher, Valéria.

Anulação em plenário

Nesta segunda-feira (15), Fachin pediu a inclusão na pauta do plenário do STF dos dois recursos sobre a decisão que anulou as condenações do ex-presidente. O presidente do tribunal, Luiz Fux, poderá pautar a sessão do plenário.

Um dos recursos é da Procuradoria-Geral da República e pede a manutenção das condenações do ex-presidente; e o outro é da defesa, para manter em tramitação 14 processos encerrados por Fachin.

Em notícia sobre o pedido do ministro do STF, o portal G1 lembra que “ao decidir sobre pedido de habeas corpus da defesa de Lula, apresentado em novembro do ano passado, Fachin declarou a incompetência da Justiça Federal do Paraná para julgar quatro ações — triplex do Guarujá; sítio de Atibaia; e duas relacionadas ao Instituto Lula”.