Instituto Lula

Doe agora
Menu

ONU: Brasil só perde para o Catar em desigualdade de renda

09/12/2019 16:44

A comunidade de Paraisópolis na região do Morumbi, em São Paulo / Reprodução/Revista Fórum

Nesta segunda-feira (9), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), da Organização das Nações Unidas (ONU), divulgou seu relatório anual, com dados do ranking global do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Segundo o ranqueamento, de 2017 para 2018, o Brasil caiu uma posição no grupo de 189 países — passou da 78ª para 79ª colocação.

É alarmante, também, os números que tratam da desigualdade e da concentração de renda nos países. O relatório do Pnud destaca que apenas o Catar tem maior concentração de renda entre o 1% mais rico da população do que o Brasil. 

Confira na matéria escrita pela Revista Fórum e republicada abaixo:

Após o golpe parlamentar que resultou na queda de Dilma Rousseff (PT) da presidência, o Brasil registrou, em 2018, a queda em uma posição no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), ocupando a 79ª posição, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (9) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Com crescimento pífio, de 0,001, em 2018, o IDH brasileiro foi de 0,761, contra 0,760 em 2017, o que levou a perda de uma posição no ranking que mede o processo de desenvolvimento humano de 189 países – quanto mais próximo de 1, mais desenvolvido.

Entre 2010 e 2017, por exemplo, a média do crescimento anual do IDH no Brasil foi de 0,004. Após o golpe, o Brasil voltou a ter um crescimento insignificante para os padrões do ranking e estagnou em segundo lugar na lista de países com maior desigualda de renda do mundo.

Com o IDH de 0,761, o Brasil fica em 79º no mundo e em 4º na América do Sul — nas duas posições, o país fica empatado com a Colômbia.

O relatório do Pnud destaca que apenas o Catar tem maior concentração de renda entre o 1% mais rico da população do que o Brasil. “A parcela dos 10% mais ricos do Brasil concentra 41,9% da renda total do país, e a parcela do 1% mais rico concentra 28,3% da renda”, diz o texto. No Catar, a parcela do 1% mais rico concentra 29% da renda do país.

O Catar é um emirado absolutista e hereditário comandado pela Casa de Thani desde meados do século XIX. As posições mais importantes no país são ocupadas por membros ou grupos próximos da família al-Thani. Em 1995, o xeque Hamad bin Khalifa Al Thani tornou-se emir após depor seu pai, Khalifa bin Hamad al Thani, em um golpe de Estado.

A Freedom House considera o país “não livre” e a Amnistia Internacional anota vários atropelos de direitos humanos. Desde a primeira Guerra do Golfo, o país tem sido um importante aliado militar dos Estados Unidos e atualmente abriga a sede do Comando Central da superpotência na região.