Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Curso do mês: Filosofia e feminismo, com Marcia Tiburi.

Instituto Lula

Menu

Para jurista, Lula deve ser solto, não transferido

07/08/2019 18:34

O advogado Fernando Hideo durante entrevista ao Brasil de Fato / Reprodução

Fernando Hideo não tem dúvida sobre relação entre decisão de mudar petista para SP e o ápice das denúncias da Vaza Jato
Por Igor Carvalho
Do Brasil de Fato

Nas próximas horas, a Justiça pode sacramentar a transferência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da carceragem da Polícia Federal em Curitiba para a penitenciária Tremembé II, no interior de São Paulo. Para Fernando Hideo, advogado criminalista e membro da Associação Brasileira de Juristas Pela Democracia (ABJD), a medida não pode desviar a defesa do petista de seu objetivo, a sua liberdade.

“O foco é que o Lula deve estar solto. Isso não tem que ser sobre a qualidade do local em que o Lula está preso. O Lula não tem que estar preso e ponto. O Lula estar em regime fechado é uma aberração moral”, afirma Hideo, que não tem dúvidas sobre o caráter extraordinário da decisão da 12ª Vara Federal de Curitiba.

“É estranho, pois é uma decisão atendendo um pedido da Polícia Federal, que é chefiada por Sérgio Moro, ministro da Justiça”, afirma o criminalista, em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato.

Para o criminalista, a relação entre Moro e a possível transferência de Lula não deve ser desprezada, pois está no “tabuleiro midiático”.

“Quando as revelações da Vaza Jato começam a atingir o ápice, vem o presidente Bolsonaro e solta declarações infames, agressões gratuitas, nomeia o filho e faz esse carnaval de besteiras para desviar o foco”, explica o jurista.

Ainda de acordo com Hideo, antes de qualquer análise, é preciso saber se Lula quer ser transferido para Tremembé II.

“Os argumentos que a Polícia Federal utiliza para pedir a transferência do Lula não são jurídicos, são sempre políticos, falam do tumulto, do transtorno, da mobilização dos militantes, então está escancarado o teor político”, finaliza.

Ouça o áudio:

Edição: João paulo Soares