Instituto Lula

Doe agora
Menu

Partida com Lula no campo do MST celebra democracia

23/12/2019 23:12

Lula, Monica Benício, Preta Ferreira e Chico Buarque. Foto: Ricardo Stuckert

Do Brasil de Fato 

O jogo que reuniu os amigos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do cantor Chico Buarque contra integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) terminou em 2x1 na tarde deste domingo (22).

Logo no início do jogo, Lula abriu o placar com um gol de falta. O deputado federal Nilto Tatto (PT-SP) diminui pra o time do MST com um chute lindo no ângulo. Quem fez o gol da vitória foi Chico Buarque, de pênalti.

Para Juca Kfouri, um dos árbitros da partida, o time do MST estava mais organizado dentro de campo, porém prevaleceu o talento do ex-presidente Lula e de Chico, que marcaram os gols da vitória.

Ao final da partida, o autor do gol do MST, Nilto Tatto, disse que o jogo foi uma celebração que representa a esquerda no Brasil, solidária e generosa. "Pra você ter uma ideia, tinham crianças, jovens, mais velhos no campo, mulheres, homens. E o gol que eu tive a alegria de fazer, ele é um gol que teve a marca mesmo da democracia e da generosidade que também tem na esquerda hoje, com passe do Juliano [Medeiros] do Psol", disse.

Na avaliação de João Paulo Rodrigues, da direção nacional do MST, o jogo foi acirrado e a vitória, apertada. Mas, independente do placar, ele ressaltou a oportunidade de terminar de forma positiva o ano de 2019, com Lula e Chico juntos com o MST.

"Foi um ato político radical, ao mesmo tempo com a leveza e a beleza política que exige o momento. Esse jogo também simboliza que o próximo período será de muita luta, não só no campo de futebol, mas também nas ruas. O MST reafirma o compromisso nosso em defesa da democracia, em defesa do povo brasileiro, e em defesa do presidente Lula", afirmou.

Celebração da democracia

O jogo ocorreu no campo Dr. Sócrates Brasileiro, nome dado em homenagem ao ídolo da Democracia Corinthiana, em Guararema (SP). O local é onde funciona desde 2005 a Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), maior centro de formação política do MST, que recebe milhares de militantes do Brasil e do mundo a cada ano.

Cerca de 4 mil pessoas acompanharam a partida, além de políticos, artistas, juristas e militantes de movimentos populares. Entre eles, o ex-candidato à presidência Fernando Haddad, a integrante do Movimento dos Sem-Teto do Centro (MSTC), Preta Ferreira, e a militante de Direitos Humanos e viúva de Marielle Franco, Mônica Benício.

Trabalhadores de diferentes regiões do país também vieram para assistir ao jogo. Maria das Graças e Wellington Silva são de Belo Horizonte, Minas Gerais, e chegaram às 7 horas da manhã. "[Viemos para celebrar] O ideal de liberdade, de fraternidade que o Lula representa para o povo brasileiro. Esse amor que ele transmite para toda a sociedade. E a gente veio participar pra aglutinar força pra seguir em frente", disse Wellingnton.

Para a filha do ex-presidente, Lurian Lula da Silva, o jogo representou a luta para libertação de seu pai: "Ele estar livre pra gente já é uma simbologia, pra gente que sofreu muito, não só o povo brasileiro, mas a família em particular, que teve todo o sofrimento, as ofensas, as agressões. Então, pra gente, tem uma simbologia muito grande. É maravilhoso poder estar aqui com a família, com amigos e com ele".

Rosana Fernandes, da coordenação da ENFF, destacou a importância do evento. "É uma grande atividade futebolística que mistura futebol, arte e política, e faz parte do processo de formação que a escola organiza", explica Fernandes.

Ao vivo em rádio, TV e nas redes sociais

A partida e as atividades do evento foram transmitidas ao vivo pelo Brasil de Fato, pela TVT, e na Rádio Brasil Atual (FM 93,3 no litoral paulista, FM 98,9 na Grande São Paulo e FM 102,7 no noroeste paulista).

Reencontro das equipes

Esta é a segunda partida celebrada entre Lula, Chico e MST na escola do movimento. A primeira, realizada em dezembro de 2017, foi na inauguração do campo Dr. Sócrates. Pariciparam na época juristas, artistas, políticos e apoiadores do MST, que calçaram suas chuteiras e entraram em campo para a disputa de quatro partidas. A arbitragem ficou por conta do jornalista Juca Kfouri.