Instituto Lula

Doe agora
Menu

Lula no Flow bate recorde do Youtube no mundo

18/10/2022 21:25

Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi entrevistado nesta terça-feira (18) pelo Flow, podcast com maior número de inscritos no Brasil. A transmissão de quase duas horas superou o número de 1 milhão de pessoas acompanhando ao vivo. Essa foi a entrevista com a maior audiência da história do Youtube no planeta.

Durante a conversa com o apresentador Igor 3K, Lula lembrou muito do legado dos seus oito anos de governo e a importância das políticas públicas no desenvolvimento social e no fortalecimento da economia. E citou o Instituto Lula algumas vezes.

Primeiro, ele disse que o Instituto Lula fez a "cartilha gamer". "Bom, nós fizemos os projetos que viriam a ser o Fome Zero, Minha Casa Minha Vida, Luz para Todos… mas essa cartilha é uma produção independente de gamers que se juntaram à campanha." Clique aqui para conhecer a cartilha na íntegra

Na segunda vez, ele tenta apontar o responsável pelas redes do Instituto, mas acaba não dizendo nada. Então nós te convidamos para seguir nossas duas redes mais quentes no momento: o TikTok e o Instagram do Instituto Lula.

O apresentador Igão também citou o Instituto genericamente quando falou dos processos em que Lula foi inocentado. Em setembro, uma multa irregular ao Instituto foi suspensa.

Impossível debater

O ex-presidente e atual candidato à Presidência da República lamentou, também, o nível dos debates na campanha eleitoral deste ano, classificando seu adversário, Jair Bolsonaro, como mentiroso compulsivo.

“Tem político sério de esquerda, de centro, de direita, não precisa mentir”, criticou. “A internet liberou geral para o cara que é mentiroso. Inventam coisas absurdas todo dia e não tem critério. Qualquer mentira, não tem tamanho e não tem hora. Aprendi a fazer política no movimento sindical, um discurso em defesa dos direitos dos trabalhadores. Hoje não tem mais isso, é mentira atrás de mentira e você passa o tempo todo respondendo.”

Questionado sobre a pedofilia da qual Bolsonaro vem sendo acusado, Lula disse: “Ele se comporta como se fosse pedófilo. Mente descaradamente. Com Bolsonaro é impossível debater. Fico triste de saber que muita gente no Brasil se deixa enganar por isso”.

Liberdade religiosa

Sobre a mentira divulgada pela redes bolsonaristas, de que Lula pretenderia fechar igrejas, o ex-presidente destacou. “Defendo todas as religiões, a liberdade religiosa” e diante do comentário de Igor, sobre a relação com os evangélicos, lembrou do seu respeito também a essa religião e dos tantos companheiros metalúrgicos seguidores dessa fé. “Evangélicos têm gente muito séria, que trabalha. Bolsonaro deve ter uma máquina de contar mentira lá também. Lemos sobre candidatos ameaçando pessoas, que vamos fechar igreja. Com essas mentiras você não tem tempo de discutir o futuro. É tanta mentira, que a minha cabeça nem consegue guardar isso. A gente pensa que ninguém acredita, mas tem quem acredita.”

Para Lula, é preciso reforçar uma civilidade no país. “O povo não pode ser enganado com mentiras, as pessoas que trabalham, querem cuidar da sua família. Nunca tinha visto nada igual. Essa fábrica de contar mentira, a gente não sabe de onde vem o dinheiro. Bolsonaro funciona como se fosse psicopata.”

Gravata pátria amada

Questionado sobre a gravata que usava no último debate televisivo, Lula contou. “É minha gravata símbolo, ganhei quando o Brasil ganhou o direito de sediar as Olimpíadas. Toda vez que vou encontrar um representante estrangeiro uso. Significa minha pátria amada.”

Lula lembrava 2016 , quando o Comitê Olímpico Internacional (COI), reunido em Copenhague (Dinamarca), escolheu a cidade do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas. O Brasil era a única das dez maiores economias do mundo que nunca havia sediado uma edição dos Jogos Olímpicos. Fora derrotado em suas três tentativas anteriores — para as Olimpíadas de 2000, 2004 e 2012. A candidatura do Rio de Janeiro venceu a de Madri na última rodada por 66 votos contra 32. 

O bom momento econômico vivido pelo Brasil em plena crise mundial, além das belezas naturais do Rio de Janeiro e o ineditismo de uma sede olímpica na América do Sul foram os destaques da campanha brasileira.

Fazer política

“Se você não faz política, alguém faz por você”, disse Lula a Igor 3K. “Temos de convocar o povo que não votou a ir votar. Se você não vota não tem direito de reclamar de nada. Se votar confiando no programa que seu candidato apresentou, tem direito de cobrar”, disse, sugerindo. “Para de falar mal de político e entra na política. É mais fácil falar no microfone que fazer as coisas.”

O ex-presidente lembrou a formação do PT, quando ainda sindicalista descobriu que não tinha trabalhador no Congresso Nacional. “PT já nasceu grande porque juntou o que tinha de melhor no movimento social, sindical, artistas, intelectuais. O PT É muito grande, tem gente muito importante espalhada pelo Brasil afora. Tem gente que passa três dias remando para ir numa reunião do partido. Poderoso. O PT tem história e vínculo com as lutas sociais do país.”

E contou, com emoção, da situação que viveu quando do assassinato de Chico Mendes, em 1988. “Quando Chico Mendes morreu em Xapuri alugamos um avião para pagar em 30 dias. Eu ia arrumar dinheiro depois. Ficamos junto da família, no enterro. Quem faz isso é só quem tem muito vínculo, muita relação”, disse, destacando que o PT não pode abandonar a periferia, precisa estar do lado, visitar, apoiar. “Para ser igual os outros não precisa a gente existir.”

Políticas públicas

Lula comentou, ainda, sobre o incômodo causado a uma “sociedade escravista” que não quer ver filho de empregada doméstica virar médico, engenheiro, advogado. Questionado se tem emprego para todo mundo, foi categórico. “Tem mercado. À medida que vai formando mão de obra qualificada, vai melhorando a qualidade do mercado e ficando mais competitivo. Vamos exportando inteligência, conhecimento”, explicou. 

“No Brasil, nunca se levou a sério as camadas de baixo chegarem à universidade. A classe média e alta reclamava de pobre no aeroporto. O que nós fizemos foi a maior politica de inclusão social que esse país já viu. Os trabalhadores passaram a ganhar mais, o agricultor tinha mais dinheiro, programas públicos para comprar alimentos, o PAA (Programa de Aquisição de Alimentos, o Pronaf Mulher (de financiamento para a mulher agricultora). O Minha Casa Minha Vida, o Bolsa Família no nome da mulher”, recordou. 

“Invertemos a lógica de que o pobre não pode ter ascensão social. Colocamos 42 milhões de pessoas na classe média, tiramos 36 milhões da miséria. Ninguém quer ser pobre, comer mal, se vestir mal. É pobre porque não tem oportunidade não teve chance.”

Fetiche das commodities

Igor argumentou que todos esses investimentos foram possíveis devido à alta das commodities durante o governo Lula. O ex-presidente rebateu. “Se criou esse fetiche. Se fosse assim, por que não deu certo para o FHC (o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso). É porque nós fizemos com que as coisas acontecessem colocando o pobre no orçamento. Criamos 22 milhões de empregos com carteira assinada. Foram 100 mil jovens fazendo curso no exterior. Fizemos 19 universidades federais novas e 168 campi ampliados. O Brasil chegou a 422 escolas técnicas. Uma revolução. Os pobres começaram a se sentir participantes e protagonistas da história”, lembrou Lula, citando ainda o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que nos governos petistas emprestava dinheiro também para os pequenos produtores e empresários. “Quem tiver a inteligência de fazer como você faz, Igor, vai ter crédito. Siga em frente, vença, você vai ter oportunidade. Os bancos públicos existem para isso.”

Lula lembrou ainda a crise em 2008. “Falei que era marolinha no Brasil e tiraram sarro de mim. O que aconteceu? Fomos o último a entrar na crise e os primeiros a sair. Economia crescendo com 90% dos trabalhadores recebendo aumento acima da inflação. Hoje não recebe. Brasil vai crescer 1%. No meu mandato crescia 4% ao ano.”

Bem da humanidade

Diante da réplica do apresentador do Flow, mencionando a guerra entre Ucrânia e Rússia para explicar o baixo crescimento da economia brasileira – o Brasil é hoje dependente do fertilizante fabricado pela Rússia –, Lula discordou. “Jogar a culpa da crise na guerra da Ucrânia é demais. Fábricas de fertilizantes que estavam sendo criadas em fertilizantes, foram fechadas. O Brasil podia ser autossuficiente. Era barato importar e agora estão se dando conta”, criticou, demonstrando as evidências do risco dessa dependência internacional.

“Somos o terceiro produtor de alimento do mundo, o maior criador de gado do mundo. Temos de cuidar disso com muito carinho e sem derrubar arvore na Amazônia, no Pantanal. Produtor profissional não derruba mata. Quem derruba mata, é transgressor.”

Para o ex-presidente, o Brasil pode muita coisa. “Temos 30 milhões de áreas degradadas. Podemos plantar sem derrubar nada. Riqueza está na exploração de biodiversidade, com crescimento das indústria de fármacos. Compartilhar conhecimento científico com o mundo inteiro para o bem da humanidade”, disse.  “E o que é melhor, dá mais dinheiro. Tem 3 trilhões de dólares para ser gasto com a boa agricultura.”

Brasil perdeu

Sobre a Lava Jato e sua prisão, Lula lembrou os 87% de bom e ótimo de aprovação de seu governo quando foi preso. “E isso com todas as mentiras contadas a meu respeito. Tive treze horas de Jornal Nacional contra mim, 60 páginas de revista contra mim. Moro (o ex-juiz e ex-ministro de Bolsonaro Sergio Moro) estava condenado a me condenar porque mentiu demais”, sentenciou.

“Me preparei psicologicamente e espiritualmente para sair da cadeia. Nunca troquei minha dignidade pela minha liberdade. Não sou pombo correio pra colocar tornozeleira, minha casa não é prisão”, afirmou, ao explicar a certeza de sua inocência e a razão de não ter aceitado a prisão domiciliar.

Lula lamentou ainda o resultado, para o Brasil, da operação levada a cabo por Moro. “Milhões de pessoas perderam emprego, o Estado brasileiro deixou de arrecadar R$ 58 bilhões em impostos”, ressaltou. “Moro e Dallagnol (o ex-procurador Deltan Dallagnol) convenceram que mentiras que contavam eram verdades. Não condeno quem acreditava, as pessoas não tinham chance de pensar. Provei e saí da cadeia maior do que entrei. Meus adversários jamais imaginavam que eu estaria assim. Fiquei livre nos 26 processos deles contra mim.”

Família

Sobre alimentar raiva diante das mentiras e injustiças a que foi submetido, Lula rechaçou. “Não tenho mágoa, esse coração velho está apaixonado. Não tenho idade nem tempo para ser vingativo”, disse. “Vivi com a minha mãe, ela criou sozinho oito filhos, com dificuldade. Fui o primeiro a ter diploma. Por conta disso fui o primeiro a ter casa, televisão, geladeira. Prezo muito essa questão da família. Fui criado numa geração que a mãe era uma deusa”, lembrou emocionado. “E a Janja, que pedia benção para a mãe antes de dormir e quando acordava. Acho isso muito lindo! Minha família de final de semana era todo mundo junto.”

O ex-presidente falou ainda sobre sua felicidade ao ver as pessoas vencendo na vida. “Valorizo muito isso. Quando vejo um cara como você ter o sucesso que tem, um moleque pobre ficar famoso no futebol.”

Questionado sobre o jogador da seleção brasileira de futebol que manifestou a apoio a Bolsonaro, Neymar, Lula disse: ele tem o direito de escolher o presidente. E ironizou: “Está com medo de eu querer saber o que Bolsonaro perdoou da dívida do imposto de renda dele. Isso é um problema da Receita Federal, e não meu.”

Sem censura

Lula disse claramente que é contra a censura, diante do questionamento de Igor 3k, sobre a regulação da mídia. E esclareceu: “Não pode criar um instrumento poderoso no mundo digital e deixar à revelia para fazer o que bem entende”, explicou, falando sobre a mentira que corrói as redes digitais. “Mentira é coisa antiga, mas pouca gente ficava sabendo. Agora o cara se tranca no quarto dele, pega o celular e fala mal das pessoas sem nenhuma responsabilidade”, ressaltou, lembrando as mentiras contra ele, seu filho, sua família.

“Como permitir que as pessoas façam isso sem critério de punição? Temos de fazer um debate para discutir o melhor caminho para que não seja censurado uma coisa que é divergência cultural. Outra coisa é a mentira deslavada. Não precisa extirpar da internet, tem de educar, tem de saber que não pode fazer o que quer. Democracia permite espaço que não atente contra o outro. E quem vai dar um jeito nisso são pessoas especialistas nesse mundo digital. Penso no Brasil 4.0, internet das coisas. É o novo mundo do trabalho.”

Regulação da mídia

Lula insistiu que regulação de mídia não é censura. “A sociedade tem de participar para mudar. A última regulação do Brasil é de 1962.  Ninguém quer regulação como Cuba. Ninguém quer uma TV que só fale bem do governo, ninguém assiste. Queremos ter uma coisa plural, com direito de resposta para a oposição, para quem for ofendido. Tem de dar chance para a pessoa provar.”

E lembrou também a falta de diversidade nos canais de televisão. “Todos os canais têm retransmissores, mas nos estados não tem programa local, somente os jornais. O restante é divulgando enlatados que a matriz reproduz. Não acha justo ter programação local?”, perguntou a Igor, que concordou. “O cara ganha uma retransmissora, fica com o lucro sobre a publicidade, sem compromisso de nada”, criticou.

Lula disse a Igão que nem todo mundo tem a sorte que ele teve com seu podcast Flow. “Acho louvável, e fico feliz quando vejo que você se formou pelo Prouni (Igor 3K contou que se formou em Letras pelo Prouni)”, afirmou o ex-presidente, lembrando a criação do programa pelo seu governo, em 2004 . “Vamos trocar dívidas das universidades com bolsa de estudo. Ana Estela (esposa do ex-ministro da Educação, Fernando Haddad) que pensou nisso num projeto para São Paulo e aproveitamos em nível nacional. É possível fazer mais. O mundo vai pra frente quando os pobres tiverem todos os dentes na boca sorrindo de alegria.”

Sem teto e com reforma

Questionado por Igor3K, Lula foi firme na sua posição contra o Teto de Gastos. “Quando ganhei a eleição em 2003 tinha inflação de 12%, desemprego, dívida com FMI. Reduzimos tudo. Pagamos o FMI e juntamos 370 bilhões de dólares, criamos 22 milhões de empregos. Tudo isso com o maior programa de inclusão social. Teto de gastos para garantir o quê, que os banqueiros recebam o deles?”, questionou. “Não pode melhorar nada por causa do teto de gastos, só vale pagar juro pra banqueiro? Ninguém quer discutir teto de crescimento social, de aumento de salário”, observou.

Sobre a reforma trabalhista, Lula disse que o Brasil não quer voltar ao passado, para uma legislação que era de 1943. “O movimento sindical quer adequar. Atualizar. Esse pessoal que trabalha com aplicativo, tem de ter regulação, jornada de trabalho, descanso remunerado. Não são empreendedores. Se bater o carro e quebrar, tá ferrado. As pessoas devem ter o mínimo de seguridade social, uma previdência. O cara carrega comida nas costas, com fome, sem dinheiro pra comprar. Se quer trabalhar com conta própria, tem de ter condição.”

E lamentou ainda a quantidade de pessoas que hoje vivem nas ruas no Brasil. “As pessoas pensam que quem esta embaixo do viaduto fez opção por aquilo? Todo mundo quer ter emprego, salário bom, ver filho ir para a escola com a barriga cheia. O mínimo que a Bíblia diz que tem de ter, o mínimo que a nossa Constituição diz que tem de ter.”

Reveja o programa na íntegra