Instituto Lula

Doe agora
Menu

Amorim: “Desenvolvimento é com integração latino-americana”

05/11/2019 12:51

Casa cheia para ouvir Celso Amorim comentando a ebulição da América Latina / Foto: Roberto Parizotti

Por Larissa Zapata da Agência PT de Notícias

Um dos espaços símbolos da resistência da cidade de São Pauloo restaurante Al Janiah, recebeu, nesta segunda-feira (4), o ex-ministro Celso Amorim para uma exposição aberta sobre o tema “América Latina em ebulição” organizada pelo Instituto Lula. Eleito pela mídia especializada como o “melhor diplomata do mundo”, Amorim foi ministro das Relações Exteriores nos governos Itamar e Lula, e ainda ocupou o ministério da Defesa, no governo Dilma Rousseff.

Na abertura, Tamires Sampaio, diretora do instituto, reafirmou a importância da realização do evento. “Pra gente, é muito importante discutir a América Latina e organizar esse tipo de evento, pra mostrar que a gente continua resistindo.”

Celso Amorim iniciou sua fala relembrando uma capa da revista The Economist em 2010, em que o mapa da América Latina foi colocado invertido e com o título de que “a América Latina não seria mais o quintal de ninguém”.

A partir desse exemplo, Amorim fez uma retomada das relações entre o Brasil e a América Latina e o desenvolvimento dos países da região. “Nos primeiros 10 anos do novo milênio, houve um forte empenho para fortalecer a democracia, combater a desigualdade e, ao mesmo tempo, fazer uma reformulação da política externa, que colocou o Brasil numa nova posição no mundo”.

“Nós começamos a traçar uma política internacional que visava a menor dependência dos Estados Unidos e da Europa, não só o Brasil, tinha que ser a América do Sul como um todo, com a consolidação do Mercosul, a criação da Unasul”, relembrou o ex-ministro.

Soberania Nacional

Sobre uma questão recorrente na mídia, a soberania nacional, Amorim comentou os erros cometidos por Jair Bolsonaro (PSL). “Sobre soberania, eles falam de uma maneira falsa e distorcida. Soberania não é a liberdade para matar, para queimar floresta, para discriminar, soberania é ter a responsabilidade por um território. O Lula sempre exerceu a soberania plenamente e com responsabilidade. Por exemplo, nós sabemos que a Amazônia é brasileira, sempre respeitamos o povo nativo, mas também defendemos o clima do mundo, o problema também é global.”

Indo mais além na questão da soberania de um país, o diplomata também citou o caso das privatizações, que para ele, devem ser chamadas por outro nome. “Privatizar é mentira, é desnacionalizar, porque não tem nenhuma empresa brasileira capaz de comprar as empresas nacionais. Quem vai comprar são os americanos, os chineses.”

Governo da anormalidade

Aproveitando para analisar o contexto atual das relações exteriores do Brasil e o comportamento de Bolsonaro perante a comunidade internacional, Amorim declarou que predomina a anormalidade. “O que existe hoje no governo é uma total anormalidade. Não é só ser de direita. O que me choca na grande mídia é que a anormalidade é vista com normalidade, até quando critica. Na parte internacional, nunca houve quem atacasse a mulher do presidente da França ou que dissesse que não cumprimentaria e não iria à posse de um presidente argentino. Essas marcas ficam, nós vamos demorar para superar. Não só pela pessoa que faz, mas pela passividade que existe hoje.”

O que me choca na grande mídia é que a anormalidade é vista com normalidade, até quando critica.

O ex-chanceler afirmou que até mesmo os Estados Unidos está estranhando o comportamento do governo brasileiro. “O Brasil está numa posição tão anormal que está se tornando disfuncional até aos olhos do Estados Unidos. É preciso entender que nós não temos possibilidade de ter um desenvolvimento de equidade se não for em conjunto com a América Latina”.

Celso Amorim terminou sua participação lembrando que é importante construir um movimento de mobilização para resistir ao período que vivemos. “A nossa principal preocupação deve ser a de conseguir construir um movimento social de mobilização. Eles não vencerão o povo. O neoliberalismo pode até ser forte, mas o povo é mais forte.”


Para encerrar o evento, Luiz Dulci, ex-ministro da Secretaria de Governo de Lula e atual vice-presidente do PT reafirmou a necessidade de enfrentar a onda conservadora e a importância de debates como o desta segunda-feira (4). “A política externa que Celso ilustrou aqui não é só questão de convicção, mas ela é a mais justa e adequada pra sustentar o desenvolvimento dos países da América Latina. Para pensar a democracia brasileira, é preciso pensar o desenvolvimento do continente. E se pudermos fazer de modo compartilhado, será bem melhor pro Brasil e para os nossos vizinhos.”