Instituto Lula

Doe agora
Menu

Viúva de Marielle se emociona em visita a Lula: “Ele me inspirou a seguir lutando”

16/08/2019 09:35

Após o encontro privado, que durou uma hora, a arquiteta foi à Vigília Lula Livre para relatar as impressões do diálogo com o petista / Foto: Joka Madruga

Por Emilly Dulce, do Brasil de Fato

A arquiteta Mônica Benício, viúva de Marielle Franco, e o escritor cubano Leonardo Padura visitaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) nesta quinta-feira (15). Após o encontro privado, que durou uma hora, ambos foram à Vigília Lula Livre para relatar as impressões do diálogo com o petista.

Luta, resistência e injustiça. Essas foram as palavras que a arquiteta usou para definir a similaridade entre os casos Lula e Marielle – vereadora assassinada em 14 de março do ano passado junto de seu motorista, Anderson Gomes, na região central do Rio de Janeiro (RJ). 

“Encontrei um presidente que me inspirou bastante a seguir lutando, e acho que o recado para todos é que a gente siga com resistência e esperança. Uma frase que ele disse e me marcou muito foi que ‘nunca tivemos tanto motivo para lutar’”, afirmou a arquiteta.

“[Lula] Citou também uma frase de Mia Couto [escritor moçambicano] que me marcou bastante. Ele disse que 'em tempos de medo, o ódio procura se esconder dentro do monstro, e as pessoas procuram abrigo dentro do monstro'. Eu acho que tem muito mais gente boa no mundo do que gente má ou com medo”, completou. 

Para a arquiteta, o momento é de resistência coletiva em defesa da retomada da democracia brasileira. Isso depende, segundo ela, da libertação de Lula e da resposta à pergunta: “Quem mandou matar Marielle?”

Passados mais de 500 dias da execução da vereadora, Benício afirmou que é “profundamente emocionante” testemunhar a simbologia que Marielle ainda representa e que, segundo ela, ressignifica a luta e a própria noite do assassinato.

"Além de muito doloroso e lastimável, é profundamente vergonhoso. Não só como companheira, mas enquanto brasileira, é terrível perceber que o Estado consegue prender um hacker, mas não consegue responder quem matou uma parlamentar eleita. Eu não sei se o Estado não consegue ou não quer. Então, a cobrança, mais do que nunca, se faz necessária, porque gera uma sensação de conformismo que não pode acontecer", analisa.

Mais cedo, a arquiteta também visitou o “Espaço Marielle Vive!”, centro de formação e cultura instalado ao lado da Vigília Lula Livre. Inaugurado em setembro do ano passado, com a presença dos pais de Marielle, o espaço oferece alojamento, alimentação e cursos para militantes. A iniciativa é uma parceria do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. 

“É muito inspirador ver essa imagem da Marielle. Isso ameniza um pouco a dor, principalmente porque ela tinha uma relação de muito respeito e admiração pelo MST”, ressaltou. 

O escritor e jornalista Leonardo Padura, autor do clássico "O homem que amava os cachorros", também enfatizou os 495 dias de resistência da Vigília. O cubano falou do carinho, respeito e admiração por Lula e também ressaltou o senso de humor do ex-presidente diante das adversidades.

Todas as quintas-feiras, Lula recebe a visita de amigos e companheiros de militância, especialmente de intelectuais e ex-chefes de Estado. Para Padura, antes de ser escritor, é preciso ter senso de justiça e responsabilidade como cidadão.

“Acredito que foi cometida uma injustiça com um homem que não merecia, por isso vim até aqui render minha solidariedade e meu respeito. Falamos de muitas coisas e, em alguns momentos, ele fez comentários engraçados, principalmente considerando a condição que está, me parece muito bom que ele mantenha o senso de humor”, disse. 

“Encontramos um homem obstinado a provar sua inocência, mas também um retrato do que é a injustiça desse país, de um homem da grandeza do nosso presidente em uma sala como essa”, completou a arquiteta. 

Edição: Daniel Giovanaz (BdF)