Instituto Lula

Doe agora
Menu

Ação da Lava Jato cita terreno que nunca foi do Instituto

11/02/2020 18:00

Este é o sobrado onde o Instituto Lula funciona desde 1991 / Foto: Reprodução

Nesta terça-feira (11), diversos veículos voltaram a falar erroneamente em “terreno do Instituto Lula” ao citar uma ação em que Lula é acusado de ter recebido um terreno como propina. Isso porque o ministro do STF Edson Fachin negou um pedido de suspensão da ação, já que os advogados sustentam que há ilicitudes no material apresentado por delatores. Antes de mais nada, é importante deixar claro que ninguém, nem mesmo a acusação, diz que o terreno é do Instituto.

O Instituto Lula fica em um imóvel próprio, um sobrado construído em mutirão nos anos 1990. Neste sobrado funcionou o Instituto Cidadania, que antecedeu o atual Instituto Lula.

Hoje funciona uma concessionária no terreno citado na ação. Foto: Google Maps/Reprodução
Hoje uma concessionária funciona no terreno. Foto: Google Maps/Reprodução

Então que terreno é este? 

Paulo Okamotto, diretor-presidente do Instituto Lula deu detalhes em depoimento a Sergio Moro em 2017:

Okamotto explicou que visitou vários imóveis e terrenos em 2011, na busca por um local para instalar o Instituto. Lula havia deixado a Presidência em 31 de dezembro do ano anterior e havia necessidade de escolher uma sede para o Instituto Lula. Entre os imóveis visitados, estava o terreno citado na ação, localizado na Rua Haberbeck (bairro de Indianópolis) onde Okamotto esteve uma única vez, em meados de 2011. 

Houve uma única visita de avaliação, que durou cerca de 30 minutos. O terreno, que nunca foi, nem antes nem depois, do Instituto Lula foi descartado como opção.

No depoimento, Paulo Okamotto também esclareceu uma coisa óbvia: pelas regras de organizações como o Instituto, nada que seja da Instituição é propriedade privada de nenhum de seus membros. Lula não é dono do Instituto Lula, uma associação sem fins lucrativos. Ou seja, nada que seria do Instituto Lula seria patrimônio do ex-presidente. 

A ação penal analisa se esse terreno seria propina para o ex-presidente Lula em troca de 3 contratos da Petrobras. No entanto, mesmo a acusação reconhece que o terreno jamais pertenceu ao Instituto.  Ou seja, a simples avaliação pelo Instituto da possibilidade de aquisição ou aluguel de um terreno, entre outros, virou uma ação penal contra Lula na Lava Jato.

Também depuseram na mesma data os diretores do Instituto Lula Paulo Vannuchi, Luiz Soares Dulci e Clara Ant, que também participaram das várias visitas em busca de um imóvel para sede do Instituto Lula. 

Sobre este mesmo assunto, leia também:

Acusação do MPF inventa terreno que nunca foi do Instituto 

Depoimentos mostram que não há relação entre projeto de memorial e contratos irregulares 

Advogados de Lula e dona Marisa rebatem acusações da Lava Jato 

Odebrecht planejava alugar ou vender para Instituto terreno comprado em SP 

Testemunhas do MPF isentam Lula de irregularidades ou pagamentos indevidos em obras da Petrobras 

Presidente do Instituto Lula esclarece para Moro que terreno analisado em ação nunca foi do Instituto 

Para advogados, depoimento mostrou inocência de Lula